De endividado a gráfica própria, caminhos a seguir!

6
7624

Uma das perguntas mais recorrentes aqui no Dicas Gráficas do Cardquali é como montar a minha própria gráfica e que equipamentos adquirir.

Mas a maioria dessas pessoas não tem noção de como funciona uma gráfica, como funcionam as vendas, e os detalhes de ter um negócio próprio.

Alguns tem até um capital inicial para iniciar bem o negócio, mas ao gastar tudo em equipamentos não conseguem trabalhar direito e acabam falindo.

  • Conheça o nossos Cursos Online e aprenda a criar seus próprios projetos gráficos. Domine o Photoshop, Illustrator e InDesign como um designer gráfico profissional.

Hoje vou dar uma orientação para esses novos empresários. Até os antigos podem se identificar com alguma etapa e se beneficiar do que está sendo escrito.

Vamos aos fatos?

O início!

Como qualquer negócio, temos que conhecer bastante o que estamos fazendo.

Uma orientação básica que achamos no SEBRAE e em quase todos os gestores que estão no mercado é, arrume um emprego na área em que vá atuar e aprenda um pouco sobre a área.

Esse é um excelente conselho! Não podemos montar um negócio qualquer sem nenhum conhecimento na área. É por isso que muitas vezes um profissional de finanças ou administração se junta com alguém de produção para fundar uma empresa. O conhecimento da área em que se vai trabalhar é muito importante.

Você tem conhecimento na área gráfica? Em todos os detalhes? Sabe produzir, vender, gerenciar, distribuir, divulgar?

Se não sabe, ou se junte a alguém que complemente seus conhecimentos ou estude a área que vai trabalhar.

vendedor porta a porta

Tem dinheiro para começar?

Aqui vem um ponto crucial!

Gráfica é um ramo que se pode começar com pouquíssimos recursos. Isto é raro no mercado!

Você não precisa de espaço físico, nem de equipamentos, nem de nada.

Basta se cadastrar numa das inúmeras empresas atacadistas de produtos gráficos, obter amostras, fazer seus custos e partir para atender o público e fazer a sua primeira venda.

E não adianta ter dinheiro e sair comprando maquinas a esmo. O seu concorrente é o vendedor destas mesmas gráficas atacadistas, com equipamentos com mais de 10 metros de comprimento e que custam mais de R$ 500 mil. Você tem como investir nessa ordem de grandeza? Não, né?

Então para começar, você precisa de um pouquinho de dinheiro, não muito.

Começe devagar, com produtos baratos. Sabe porquê? Existe uma coisa chamada dinheiro de fluxo e caixa… é aqui que a maioria das empresas quebram!

O Fluxo de caixa

Para quem não sabe “Fluxo de caixa” é o dinheiro necessário para cobrir os custos da empresa entre o desenvolvimento do produto e o recebimento do valor do cliente.

Digamos que você venda um cartão de visita por R$ 50 e ele custe para você R$ 25.

Você vai pedir para o fornecedor e vai pagar a vista. Vai levar de 2 a 5 dias para ter o produto em mãos. Ao entregar para o cliente vai receber a vista ou não!

Nesse meio tempo, você tem despesas com ônibus, comida, e outras mais e está sem os R$ 25 do custo do cartão… o dinheiro do fluxo de caixa serve para segurar a barra durante este período.

Agora multiplique por 10 cartões nesse período? Para um desempregado  segurar a onda bancando uns R$ 300 ou mais no período é bem difícil.

Este vai ser o seu primeiro problema… vai começar vendendo, torcendo para que o cliente peça algo pequeno… senão você acaba quebrando.

Antigamente, se pedia um sinal de 50% e o restante na entrega. Mas hoje quase todo cliente quer pagar depois e ainda quer fazer usando um cartão de crédito ou um mecanismos como o mercado pago, pagseguro ou similar (que seguram o dinheiro de 20 a 30 dias).

Esse é um problema real a ser resolvido. Ter um dinheiro para fluxo de caixa ajuda bastante. Mais do que comprar equipamentos.

Fornecedores

Outra preocupação inicial são os fornecedores. Quem não sabe nada do mercado acaba comprando caro ou com má qualidade.

Existem muitos atacadistas de produtos gráficos. Aqui no Dicas Gráficas do Cardquali eu já falei de pelo menos uns 50.

Mas são poucos os arte finalistas que mostram a sua cara para o mercado. Na verdade são muitos, mas é difícil para um pequeno arte finalista divulgar seu trabalho.

Existem sites como o workana que facilitam achar estes profissionais. Tem outros sites parecidos. Mas achar o profissional certo para trabalhar é uma tarefa árdua.

Minha sugestão é fazer uma boa pesquisa e encontrar pessoas e empresas próximo a você. As vezes é melhor pagar um pouco mais num arte finalista que cobre barato e faça também a intermediação e envio dos arquivos para o atacadista, formando uma parceria.

Lembre-se que este arte finalista não tem tempo para ir ao cliente, coisa que você consegue fazer com facilidade. É uma união natural… encontrado boa afinidade pode ser uma excelente parceria.

pequena gráfica ou bureau

Caminho inicial

Uma vez que achou um bom arte finalista, um bom atacadista que entrega a baixo custo (o frete é importante no preço final) e tem um pouco de capital para girar, vamos aos clientes.

Você deve começar com clientes que usem  muito o produto que você pode oferecer.

Comece com os cartões mais simples, depois comece a oferecer panfletos e cartões sofisticados. Lembre-se que quanto mais rápida a produção, menos tempo precisa usar o dinheiro do fluxo de caixa.

Se o cliente adiantar o dinheiro, muito bom. Mas essa não é mais a realidade de mercado, sempre entra um intermediário para dar segurança a operação.

Você deve demorar alguns meses nesse processo. Vendendo, recebendo, vendendo um pouco mais, e ir crescendo paulatinamente.

Se já conhece o mercado e tem algum capital, pode se estabelecer desde o inicio. Isto vai facilitar no atendimento ao cliente e em pedir os benditos sinais para se capitalizar melhor. Mas existirão outros custos que vão te afetar nesse período.

O importante é sempre lembrar de deixar um capital “polpudo” a título de fluxo de caixa. Quanto mais tranquilo você trabalhar, melhor será seu desempenho.

Depois do equilíbrio

Passado essa fase inicial de “dureza”, você vai entrar na chamada zona de equilíbrio. É quando de fato você começa a poder usar o dinheiro para seu sustento sem que o negócio seja afetado.

É aqui que você começa a avaliar o seu mercado e decide que tipos de equipamento deve adquirir.

O seu mercado pode sair para o lado da impressão comercial (cartões e panfletos), impressão digital (plotagem) ou pequenas tiragens (copiadoras e impressoras coloridas). Analise bem a sua demanda… o que o seu cliente pede com frequência.

Definido que rumo seguir comece as pesquisas de equipamentos que podem te ajudar nesse nicho de mercado e comece a fazer as contas de custos para ver se vale mesmo a pena adquirir equipamentos.

Em geral, um plotter, uma boa impressora digital ou copiadora, impressoras monocromáticas, são bons equipamentos para o pequeno gráfico adquirir. Não esqueçamos dos equipamentos de apoio como guilhotinas, encadernadoras, prensas de transfer, plastificadoras, entre outros.

Se você ainda não se estabeleceu, é hora de pensar seriamente nisso. Escolher um bom local é importante.  Nem sempre precisa ser no meio da “muvuca”. As vezes manter uma pequena distância facilita a questão de estacionamento dos clientes.

Preste bastante atenção no que vai fazer. Lembre-se que você não vai adquirir todos os equipamentos de uma vez e o seu local de trabalho deve ser amplo o bastante para consegui colocar tudo que você pretende usar no futuro.

Não adianta se estabeler numa pequena sala 3×3 m e querer colocar um ploter com 5 m de comprimento. Tem que pensar previamente em que caminho deseja seguir para não ficar com seu crescimento limitado a sua área física.

Lembre-se que os clientes não gostam de mudanças frequentes do seu endereço.

Uma  vez estabelecido e com maquinário

Uma vez que você se tornou de fato um empreendedor gráfico, é hora de se preocupar com o seu posicionamento de mercado e com o crescimento futuro.

Vale lembrar que quem não cresce, tende a abrir brechas para a concorrência.

É uma boa prática ficar em crescimento constante, atendendo as demandas de crescimento de seus clientes. Por isso fique de olho nessas necessidades e converse sempre com eles.

Se você não atender o seu clientes nessas demandas vai abrir brechas para a concorrência e acabará perdendo os clientes.

Não adianta achar que atingiu o topo. Note que mesmo as grandes empresas do setor gráfico, sempre procuram agregar novos produtos e processos a fim de se manterem no mercado.

Você deve fazer o mesmo. Se não é o melhor do Brasil, tente ao menos ser a melhor opção para os clientes na sua região, sendo melhor pelo menos nas pequenas tiragens.

Isto vai garantir uma boa demanda local e pode garantir o seu futuro.

gráfica Grande

Quero ser grande!

Você não tirou da cabeça aquele desejo inicial de produzir tudo na sua empresa?

Então, se cresceu até aqui e acha que já tem conhecimento o suficiente para ser um grande atacadista, comece a fazer os cálculos de quanto precisa produzir para poder bancar a compra de maquinários de peso.

Você vai perceber logo ao fazer as primeiras contas que o seu mercado vai deixar de ser o mercado local e vai necessariamente passar a um nível nacional.

Não vamos mais falar em dezenas ou centenas de cartões e panfletos diários e sim milhares de produtos diários.

Sem falar no batalhão de famílias que passarão a depender de você.

Faça as contas. Vai perceber o grande caminho a ser trilhado.

Conclusão

Montar um negócio gráfico não é uma coisa difícil. Basta gostar do que faz e ter paciência para o negócio crescer.

O segredo é crescer sempre e de forma gradual. Crescimento rápido em geral leva a uma morte rápida.

Faça os seus planos e vá em frente. Não se preocupe em ter muitos clientes. Prefira poucos clientes bons e constantes. Não é abaixando preço dia a dia que se consegue isto. É dando um diferencial e estar atento as necessidades do cliente.

Espero que tenham gostado.

Um grande abraço a todos.

6 COMMENTS

  1. trabalho com grafia desde 93 Demorei 15 anos até comprar minha própria plotter, mudamos o caminho da gráfica convencional para a área de comunicação visual nos produtos mais simples sem a serralheiria, sei que caminho duro ate chegar aos equipamentos, agora caminho é mais duro ainda manter ela mais gente para ajudar nas vendas e aplicações no mercado manter a qualidade do produto, manter as contas, é uma pedreira todo o dia mas amo esse serviço todo dia quando abro as portas e sinto o cheiro da gráfica me animo cada vez mais a tocar o negócio em frente e esperar até o próximo passo para investir em algo novo novamente. muito bom o texto nos motiva a seguir em frente de cabeça erguida sempre

    • Luiz,
      É legal ver que esta na luta sem desistir. O mercado realmente anda complicado no nosso país.
      O conselho que eu posso te dar é SER CRIATIVO.
      Tente identificar no seu ramo uma tendencia pouco explorada e crie produtos para ela.
      Vou te dar um exemplo na sua área apenas para exemplificar.
      Um outro leitor era sócio nessa área de plotagem e saiu da sociedade sem equipamento.
      Ele percebeu que muitos professores precisavam de material de apoio para as aulas pois a mulher dele volta e meia pedia para que ele plotasse algo como tabelas périodicas, tabuadas e coisas do genero.
      Ele foi atrás dos professores e criou uma serie de materiais de apoio em diversas áreas e fez uma pagina de vendas especificamente para isso.
      Hoje ele vive apenas desses materiais, mesmo sem ter o equipamento, e ja esta no ponto de conseguir adquirir a plotter própria apenas com o dinheiro que juntou.
      Ele criou um produto novo a partir de uma necessidade que percebeu no mercado e que ninguém estava atacando.
      Você pode fazer o mesmo aí.
      Veja necessidades das pessoas. Por exemplo, será que no mercado de decoração da sua região não tem ninguém para atender o mercado. Será que comprar um tecido canvas para a ploter não permita fazer quadros para vender na região. Será que não tem muitas fabriquetas na região necessitando de adesivos para seus produtos? Será que não falta quem imprima em papel cartão para pequenas embalagens.
      Por que ficar apenas no basico, banner, lona e adesivo?
      Pensa nisso e não deixe de me dar seu feedback quando houver avanços.
      Abraços,

  2. Ola pessoal, to querendo começar agora com esse trabalho de transfers em camisa e outros produtos, mas to meio perdido , pois nao entendo muito, to vendo alguns comentarios pr tentar entender melhor.. tb queria saber se eu posso imporimir qquer estampa de desenho q eu quiser, tipo, um desenho na internet e passalo pra camisa, sera que alguem pode me ajudar?.. obrigado..

    • Lenison,
      Entra no site http://www.estampaweb.com que eles falam muito desse ramo.
      Já adiantando alguma coisa… você pode pegar imagens da internet, imprimir no papel transfer e aplicar usando uma prensa térmica (qualquer desenho).
      Com camisas escuras primeiro tem que aplicar uma máscara branca e depois aplica-se a estampa.
      Tem um anuncio do google que sai quase sempre nos meus artigos sobre transfer e sublimação… fica entrando nos meus artigos que ele aparece… nele tem um curso sobre essa área que custa algo em torno de R$ 50… tenta aí que você consegue. basta teclar no google cardquali transfer sublimação e entrar nos links… vai aparecer.
      No curso tem tudo que precisa saber.
      Abraços,

  3. Um ponto importante… RESISTA à tentação de sair comprando tudo! rsrs… É realmente tentador ter equipamentos próprios, principalmente quando estes são baratos (guilhotinas, refiladoras, plastificadoras). No entanto, se você tem quem faça e se está dando para manter o negócio, mantenha-se assim até que possa dispor do montante para comprar esses equipamentos À VISTA sem ficar com o caixa desfalcado. Outra coisa, cuidado ao misturar contas pessoais com contas da empresa! Não enxergue lucro onde não tem… receita é uma coisa, lucro é outra completamente diferente. Já comecei e quebrei umas 5 vezes… estou indo para o 6º começo com tudo isso na cabeça (e já ia cometer o mesmo erro de sair comprando pra produzir). Após fazer as contas e planejar-me reduzi meu investimento que seria na faixa de uns 10 mil reais para pouco mais de 500,00 (régua e base de vidro e material de divulgação, além de uma cota em uma feira de negócios local para divulgar o trabalho). Novos investimentos? A empresa que diga se é viável e pague! rs

    • Reforço as palavras do Julio!
      Capital de giro é mais importante do que equipamentos, em qualquer fase da empresa.
      E comprar a vista, com dinheiro que não vai fazer falta é também um sonho que deve ser perseguido.
      São coisas que só quem quebra a cara passa a dar o verdadeiro valor… estou na minha quarta investida no ramo gráfico.
      Abraços,

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here