Materiais gráficos a preço de banana: culpa de quem?

16
4098

Não é apenas das revendas a responsabilidade pela queda de valores. Um dos grandes desafios de comerciantes em qualquer segmento na era virtual é conquistar e fidelizar clientes. Com as facilidades promovidas pelo acesso quase universal à internet, a concorrência aumentou em todos os setores, fazendo com que novos empreendedores cheguem cheio de ideias frescas e vontade de trabalhar para ganhar espaço.

Tanto essa gente nova quanto os empresários que já estavam no mercado precisam aprender a lidar com a maior competição agora – seja buscando inovar e atender melhor os desejos e necessidades da clientela, seja trabalhando pela manutenção e fidelização do público que já está ali. Infelizmente, o setor gráfico vem sofrendo com a injeção de mais empresas, mesmo as de porte pequeno.

  • Conheça o nossos Cursos Online e aprenda a criar seus próprios projetos gráficos. Domine o Photoshop, Illustrator e InDesign como um designer gráfico profissional.

Já vem sendo tendência que mais concorrentes acabem fazendo cair o nível de preços ou de qualidade dos serviços oferecidos. Os valores mais baixos praticados acabam prejudicando todo o mercado gráfico, e geralmente a culpa recai sobre as revendas: a maioria dos empreendedores iniciando no segmento busca trabalhar fazendo a ligação entre gráficas fornecedoras e clientes finais, sem mais haver necessidade de montar uma gráfica própria com sede física e parque industrial – reduzindo bastante o custo-benefício para investir e atraindo aventureiros.

Menores preços: culpa não é só de um ou outro, somos todos culpados

Faça uma pesquisa rápida nos mecanismos de busca e você pode encontrar pacotes de mil cartões de visita por 14 reais ou 4 mil panfletos por 59 reais…. Mas como um revendedor ou designer gráfico consegue competir com preços que parecem “mágicos” de tão bons? Pois essa mesma busca que você fez seu cliente também faz. E ele decide com quem comprar. Hoje, existem profissionais no setor praticando valores muito abaixo da média do mercado por questão de sobrevivência. É o clássico “só para não perder o cliente”. Exemplos como esses acima são o símbolo de como muitos empresários vêm lidando com a competição: buscando lucrar a qualquer custo, mesmo que prejudique o setor como um todo.

Não há dúvidas que preços assim atraem rapidamente o público. Mas não é possível oferecer qualidade de verdade ou ter um lucro substancial com esses valores. E todos saem perdendo. Em geral, a culpa pela queda de valores recai sobre as revendas. Mas não é responsabilidade apenas delas e dos novos empreendedores no segmento.

Gráficas de grande porte, algumas delas multinacionais já estabelecidas, também vêm caindo no erro de abaixar os preços de maneira assustadora sem pensar nas consequências. Se elas conseguem sobreviver por um bom tempo com lucros baixos, não são todos que podem pensar o mesmo. Aos poucos, o mercado pode acabar com apenas alguns jogadores em campo novamente, com qualidade oferecida cada vez menor.

Desespero ou estratégia?

Mas porque grandes empresas do setor vêm fazendo isso – assim como algumas revendas. A resposta pode ser estratégia ou desespero. Com tantos novos competidores, preço baixo é tática comprovada para chamar a atenção do consumidor final, mesmo que lucre pouco a princípio. Após conquistar a primeira compra do cliente, fidelizá-lo se torna mais fácil.

Mas o mais provável é que seja por desespero. Hoje, com a grande concorrência e o fácil acesso do público à pesquisa de preços e avaliações de outros internautas sobre as gráficas, e a soma de menos clientes e lucros mais baixos sempre resulta em desespero.

A solução: se aperfeiçoar e não comprar deles

Nunca é pouco frisar que é impossível oferecer grande qualidade com preços tão baixos como esses exemplificados. Para quem procura combater essa prática que tanto prejudica o mercado, não há outra solução: é preciso se aperfeiçoar e não comprar deles. Mas como fazer isso?

O empreendedor gráfico, seja ele um revendedor ou dono de uma gráfica, precisa buscar sempre melhorar o produto e serviço oferecidos. Para o produto, garanta a melhor impressão possível, seja com seus equipamentos próprios ou escolhendo a fornecedora parceira com cuidado. Para o serviço: invista no seu site, tornando-o fácil de navegar e com muitas opções para o cliente; faça questão de oferecer um ótimo atendimento em todas as etapas da compra; e trabalhe no pós-venda, com suporte, dicas e promoções para fidelizar o público.

E o mais importante de tudo: no meio, todos sabem que revendedores e designers compram dos fornecedores que oferecem produtos a “preço de banana”, justamente para poder lucrar mais na revenda. Mas eles bem podem estar cavando a própria cova. É preciso valorizar o seu trabalho e o de todos, só assim o cliente também vai fazer o mesmo. Com um bom atendimento, qualidade no impresso e entrega dentro do prazo combinado, você pode vender o produto pelo “valor”, e não apenas pelo “preço”.

Somente trabalhando com garantia de qualidade e pensando no futuro do mercado inteiro, e não somente em si, que o empresário gráfico pode se ajudar. E todos saem ganhando: quem empreende, quem revende, quem fornece e quem compra.

E você esta sendo prejudicado também pela concorrência desleal a preço de banana? Deixe seu comentário.

16 COMMENTS

  1. Sou Publicitário e estou no segmento gráfico há mais de 15 anos e estou acompanhando de muito perto esse cenário desanimador do setor gráfico. Confesso que estou frustado, pois tento ser um profissional que busca sempre a qualidade, tanto na arte quanto na produção, mas está cada vez mais dificil manter esta linha de trabalho, pois os clientes, principalmente aqui em BH estão cada vez mais se lixando pra qualidade, principalmente visual, fazem serviços com qualquer um que apresente o preço mais baixo. Tem também aquele cliente que quer preço, qualidade e prazo de entrega como se fossemos verdadeiros magos do mundo gráfico: pagam barato e querem exigir qualidade de primeira linha. Essa equação é simplesmente impossível de ser solucionada. Minha frustração é porque não quero fazer parte dessa prostituição que virou o mercado, mas tenho sentido na pele a queda nas vendas e na margem de lucro ano após ano. Estou trabalhando cada vez mais, para ganhar cada vez menos. O cenário é desanimador porque são vários os fatores para essa queda: concorrencia desleal com qualidade duvidosa, tanto na arte quanto nos preços (meu Deus, é impressionante como o cliente não se preocupa com a apresenteção, pois é cada arte que gente vê na rua!); Mercado digital (redes sociais) tomando conta do mercado impresso; Custos de operação cada vez mais elevados e lucros cada vez menores; E por último aquele que sempre esta aí para atrapalhar: o governo. Ser empreendedor em nosso país é como ser um soldado em um campo de guerra que luta para esta vivo dia após dia. É triste ver uma área que gosto demais de trabalhar e que escolhi como profissão ficar cada vez menos atrativa, mas ainda estou na luta e espero que essa situação seja um momento de crise momentânea, assim como várias outra também estão passando.

    • Henrique,
      Invista num plano B.
      Se o mercado esta deixando de tender para o mercado grafico, por que não aproveita a sua lista de clientes e veja o que eles precisam realmente agora.
      Quem sabe é ajuda em divulgação on line, quem sabe malas diretas, ou fazer um site.
      Veja quem esta atuando nessas coisas e faça parcerias.
      Se for continuar no ramo grafico, estude o que pode mudar para não ficar refem da situação. existem áreas menos afetadas por essa maluquice do mercado… entra nelas.
      Quem sabe fazer bolsas para lojas, ou embalagens para pequenas fabricas… tem muita coisa por ai com falta de fornecedor… seja esse fornecedor.
      Muitas dessas coisas podem ser feitas com o equipamento que você já tem mas que nunca pensou em usar dessa forma.
      Pensa aí… não vou deletar seus desabafos aqui no blog, mas estou aqui para tentar te ajudar.
      Esse mercado apesar de louco e com esses picos ciclicos em que sai muita gente já me ajudou diversas vezes em situações de dificuldade.
      Pensa bem no que voce pode fazer para mudar essa situação… se quiser trocar ideias pode me procurar por email ou telefone… eu atendo.
      Abraços,

      • eu perdi um cliente por causa de uma mulher concorrente fazendo cartão 1.000 unidade por
        R$ 20,00 parece que ta roubando tinta nem esse
        valor compro pra revender eu vendo por 70,00

      • Ricardo,
        Realmente ela não ganhou nada. O menor preço de cartão que se acha por aí é de uns R$ 17 o milheiro. Ela trabalhou de graça.
        Mas vou te apresentar uma outra visão sobre o negócio.
        A uns tempos atrás a Atualcard andou vendendo cartões por cerca de R$ 13 para as revendas. Era o preço de custo deles aproximadamente.
        E por que eles fizeram essa promoção sem ganhar nada?
        O fato é que conseguiram ampliar muito o numero de clientes cadastrados.
        A técnica consiste em fazer o cliente com uma promoção imperdivel com um produto bem barato. Depois atacar o cliente com propaganda dos demais produtos que faz.
        O cliente fica com a impressão que seus preços são muito baixos e nem verifica nos produtos mais caros se realmente estão em conta… e assim se faz um novo cliente recorrente.
        O que a sua concorrente fez foi exatamente isso. Conseguiu fisgar um novo cliente, mesmo sem lucrar nesse negócio, e depois rá trabalhar nele para novas vendas a um preço um pouco melhor.
        Se é cliente antigo seu cabe a você alertá-lo dessa estratégia, para que no futuro ele orce com você também.
        Deu para entender a estratégia?
        Qualquer coisa basta me enviar um outro email que continuamos a conversar.
        Um grande abraço,

  2. A realidade é que durante muito tempo aquelas gráficas antigas se achavam os donos do mundo e ficavam cobrando preços absurdos pelos impressos em offset. Lembro que eu trabalhava com material gráfico quando começou essa onda de impressos em jato de tinta e eu tentava fazer parcerias com as gráficas maiores para imprimir maiores quantidades e eles me ignoravam. O resultado está aí, apareceram empresários com visão e montaram gráficas online atendendo a todos e valorizando as revendas principalmente. Montam trabalhos de vários clientes na mesma chapa reduzindo os custos e vendem online. Aqueles arrogantes do passado estão indo a falência para aprenderem a ter visão e mais humildade. Dito isso, esse mercado de material gráfico já era, só não vê isso quem não quer. As empresas valorizam muito mais o mundo online do que impressos hoje em dia. Lembro de vender cartões a 12,00 com custo de produção de 2,00 na época. Hoje o lucro é mínimo inviabilizando todo o trabalho de captação de clientes, tempo com arte, impressão e entrega. Existe negócios bem mais interessantes que esse hoje em dia… Abraço.

    • Gustavo,
      Realmente elas quebraram a cara… eu passei por isso também. Mas teve aquelas que se focaram em ajudar os menores e cresceram tal como a Atualcard e concorrentes.
      Eu acho que já estamos numa terceira onda, em que as grandes distribuidoras estão buscando os clientes direto o mercado ja dá ares de mudar de estrutura de novo.
      Eu acredito na quebra das grandes que estão jogando os revendedores para escanteio. Vão ficar se digladiando para atender consumidor final a baixo custo, acabando quebrando.
      Quem vai sobreviver vai ser os pequenos, focados em pequenas tiragens e atendimento personalizado.
      É o que esta pintando.
      Atendimento on line vai ficar cada vez mais competitivo e menos rentavel.
      Quanto a acabar, não acredito… creio que as tiragens vão reduzir drasticamente… mas voce não vai receber sua receita via email e vai continuar tendo bula em remedio… e as caixas dos alimentos continuarão a existir. mas que vai ter muita gente trocando cartão de visita virtual, com certeza terá.
      Abraços,

  3. Obrigado Marcelo!

    Conteúdo ótimo e esclarecedor… Realmente… Hoje em dia tá F#DA viu… Mas fazer o quê?

    O jeito é sermos melhor sempre, se pensar, consegue encontrar a melhor forma para se divulgar e conseguir serviços de qualidade para sua empresa.

    Diversas vezes aqui na Gráfica MN Print temos problemas com este… O cliente fala que está caro, mesmo sabendo que vai ter um serviço de alta qualidade.

    Sempre busco oferecer um serviço excelente de criação para o material… Sempre aplicando técnicas de design e marketing. Afinal… A primeira impressão é a que fica, e esse é nosso objetivo né…

    O cliente procura a gráfica porque precisa do material para gerar vendas e ser reconhecido.

    Obrigado pelo conteúdo!

    • Eu demorei a te responder e nesse meio tempo houve uma profunda mudança no mercado.
      O mercado livre pisou na bola com os vendedores, principalmente na parte de personalizados e praticamente fez sumir todos os anuncios.
      Com isso cairam as vendas em geral de quem vendia por lá.
      Isso abriu margem para quem tem loja própria, principalmente nos mercado locais.
      E ainda por cima esta tendo a entrada firme da 360imprimir e a printi com preços falsos… quando se entra de fato lá se percebe que o preço baixo é para quem espera quase 1 mes para receber… se for querer no mesmo prazo que oferecemos o preço chega a ser maior do que o nosso.
      Mas em geral o cliente é burro e atende o apelo da propaganda deles, produzindo com uma arte sofrível e prazos muito longos ou alto custo… até quando irõ suportar.
      Mas o fato é que os beneficiados são as graficas locais… só precisa se posicionar e mostrar para o cliente onde ele esta perdendo fazendo o impresso nas grandes.
      Abraços,

  4. Rodrigo, esqueci de mencionar a “pegadinha” dessas 2 empresas, realmente o valor é bem mais alto do que é anunciado, mas, mesmo assim eles conseguem atrair bastante clientes e fazem um trabalho de e-mail marketing caso o cliente não compre no primeiro momento. Precisamos ficar atentos a essas mudanças, e de certa forma temos que nos fortalecer, vejo muito revendedor reclamando e comprando das 2 empresas, dessa forma fica difícil. Vamos oferecer “valor” pois quando o cliente percebe esse “valor” ele paga e paga bem por isso.. Forte abraço!

    • Exatamento isso. Esse valor de R$ 14,90 é um pegadinha, no final do processo da compra, o valor ficar mais de R$ 50,00. Foi uma jogada para atrair cliente e parece que funcionou.

      • É! é o cliente bancando o palhaço!
        Se todo comprador entrasse para fazer a compra e quando aumentasse o valor fosse realmente pesquisar nas demais gráficas e descobrir o preço real e nas graficas locais, teria uma mudança significativa no mercado.
        Mas o Brasileiro tem essa tendencia a ter vergonha de recuar numa decisão.
        Eu já entrei em restaurantes com promoções bem estampadas na porta e quando estava lá dentro era coisa totalmente diferente.
        Eu levanto e saio porta afora… mas a maioria acaba ficando… por isso fazem esse tipo de coisa.
        É necessário uma mudança de atitude dos brasileiros… no final temos os politicos que estão aí… se parar para pensar é coisa bem parecida que acontece!
        Abraços,

      • Sim, isso mesmo, cliente banca o palhaço e acaba comprando denovo, brasileiro tem preguiça de fazer contas…rsrsrs…vamos mudar isso, em breve entraremos com uma ação para dar um jeito nessa questão, só precisamos de todos revendedores unidos em prol dessa mudança. Será que temos revendedores interessados nessa questão?

  5. Então, tenho visto muito disso aqui em São Paulo na capital, tem uma rede de lojas que está vendendo 1.000 cartões de visitas a impressionantes R$ 35,00 o milheiro com arte final grátis !!! Ai já sabe né ? Todos outros revendedores da região estão sofrendo e tenho certeza que esse ser “super inteligente” também , pois se houvesse uma conduta mínima entre os revendedores, dúvido que alguém venderia cartões a menos de R$ 60,00… Mesmo que na “internet” tenham essas 2 empresas que estão prostituindo os preços (mas que tem uma pegadinha da arte final, que se somando acaba ficando muito mais caro), os clientes finais ainda ficam com o pé atrás em comprar cartões na internet, haja a vista que, se a arte final não estiver pronta os cartões poderiam ser até R$ 1,00 o milheiro, pois se não fazem a arte, não adianta nada, é o mesmo que me venderem um avião por R$ 10,00 ( eu não sei pilotar)…. Enfim eu penso que o Mercado vai se regularizar ao longo do tempo, eu mesmo tenho explicado explicitamente para os meus clientes sobre a qualidade, tanto no atendimento, quanto na produção, e no pós venda… Meus clientes sempre estão voltando, e os que estão atrás somente de preço, para mim não valem de nada, prefiro que procurem outro lugar, assim consigo trabalhar em paz com quem me traz realmente lucros…. Claro que também tenho produtos com preços baixos, não sou incoerente, o Mercado pede algo e temos que suprir, não vivo de idealismo, estamos atrás de vendas e lucro e danço conforme a música para alguns tipos de clientes, mas para outros, demonstro o “valor” e não o “preço” dos materiais gráficos…. Em relação dos fornecedores, não compro nem no mais barato nem no mais caro, tenho o preço mediano, mas a qualidade é excelente, e não passo vergonha quando entrego o pedido para o cliente final….

    • Rodrigo,
      Aqui no Rio encontro preços menores do que eu pago em mais de um fornecedor, mas estou pagando um pouco mais e não me arrependo.
      A qualidade é algo que se tem que pesar muito… e também essa questão de logistica.
      Ainda acho que ao não diferenciarem seus preços entre revendas e cliente final, esses grandes estarão cavando sua própria cova.
      Espero que esse movimento venha logo pois como você mesmo fala não dá para fazer ideologia… temos que pagar as contas e não está fácil.
      Boas vendas.
      Abraços,

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here