Você quer mesmo ser gráfico?

12
5418

Uma das perguntas mais recorrentes aqui no blog é: Como monto uma gráfica? Essa pergunta é feita por todo tipo de iniciante nas artes gráficas, principalmente por que veem nesse mercado uma facilidade de iniciar o seu negócio próprio. Mas será realmente que essas pessoas querem se tornar gráficos?

O que leva uma pessoa a entrar no ramo gráfico?

A primeira coisa que leva uma pessoa a entrar no ramo gráfico é a facilidade de se encontrar fornecedores. A facilidade é tamanha que os mais incautos acham que basta comprar uma impressora doméstica, uma guilhotinazinha de facão e já vão arrasar no mercado.

Isso provoca uma grande decepção nesses incautos quando percebem que a qualidade desses produtos está longe de atender o mercado.

  • Conheça o nossos Cursos Online e aprenda a criar seus próprios projetos gráficos. Domine o Photoshop, Illustrator e InDesign como um designer gráfico profissional.

Alguns, não contentes com isso, partem para investimentos em caras impressoras laser de produção achando que acharam o Santo Graal das artes gráficas… o que também está longe de ser verdade.

O fato é que é SIM fácil entrar no mercado gráfico, sendo uma GRANDE CHANCE para aqueles que se encontram desempregados e sem perspectivas reais de emprego. É uma opção boa como complemento de renda ou mesmo de ocupação principal. Somente isso já pode ser o suficiente para levar as pessoas a atuarem no mercado gráfico… mas será o suficiente?

Paixão – O primeiro motor

A paixão é um grande motor motivador para quem quer iniciar qualquer negócio.

Se você não sente paixão por ver as imagens brotarem do papel. Se não sente paixão em ver sua carteira de clientes aumentar dia a dia. Se não sente paixão pelo que faz, pode ser o inicio de uma grande decepção.

Então, explore essa paixão para fazer a sua carreira crescer.

Somente com paixão você será capaz de suportar a grande concorrência de um mercado que na prática permite que qualquer um possa entrar.

Temos inúmeros fornecedores gráficos, vendendo produtos a preços baixíssimos, permitindo aos que trabalham bem de pegarem esses produtos e revenderem a uma boa carteira de clientes.

Essa facilidade é tão grande que o próprio cliente pode chegar no seu fornecedor.

Então é a paixão com que vai levar o negócio que vai fazer a diferença entre ter um produto com péssima qualidade e um produto perfeito.

Seus clientes vão perceber essa paixão e vão te trazer resultados.

Então, se quer ser gráfico, primeiro tenha paixão pelo que faz!

Conhecimento – um grande diferencial!

Outra coisa que faz a diferença é o conhecimento.

Se você está lendo esse artigo pode se considerar como uma pessoa que está investindo em conhecimento.

O conhecimento não precisa ser necessariamente pago… pode ser totalmente gratuito, como aqui no blog.

Quanto mais conhecimento adquirir. Quanto mais souber sobre seus produtos. Melhores serão as suas vendas.

E você não precisa saber tudo sobre todos os campos das gráficas… um conhecimento básico sobre o processo e muito conhecimento sobre um dos pilares da gráfica será o suficiente.

E que pilares são esses?

Os três pilares da produção gráfica são a produção, a arte gráfica e a venda. Você pode trabalhar em qualquer um deles e com certeza terá sucesso no que faz.

O pilar da produção é o mais caro deles, pois exige conhecimento e muito investimento em maquinários. E quando falo de investimento, não estou falando de 20 ou 30 mil e sim de milhões de reais. Uma offset gráfica custa mais de 200 mil reias (usada) e tem uma infinidade de outros equipamentos e mão de obra necessários para montar uma boa gráfica. Para quem está começando é bom nem pensar nesse pilar, pois para ter sucesso nele é necessário muito dinheiro e ter conhecimentos profundos nos outros 2 pilares.

O pilar das artes gráficas exige conhecimento profundo no processo gráfico e no uso de programas. Essa é a praia dos designers e arte finalistas. É perfeitamente possível para um profissional desse nível crescer fazendo artes finais e atendendo vendedores gráficos e grandes gráficas. Pode-se até a se aventurar numa pequena produção sob demanda, que não terá grandes sustos, pois tem a capacidade técnica suficiente para ingressar nesse campo.

O ultimo pilar é o do vendedor gráfico. Ele pode ser o mais fácil de entrar, mas é igualmente importante. É aqui que a maioria das pessoas que querem começar a trabalhar devem investir.

Para entrar no mercado basta encontrar um bom profissional de artes gráficas, um bom fornecedor gráfico e partir para a luta de criar uma boa carteira de clientes. Nem preciso dizer que a paixão aqui é primordial. Vai fazer toda a diferença. O conhecimento aqui é com as características dos produtos e com as técnicas de vendas… ambas facilmente obtidas na internet. Com certeza esse é o seu primeiro caminho.

Mas será que você realmente quer ser gráfico?

Agora me responda essa pergunta. Você quer ser realmente gráfico?

Você quer trabalhar vendendo papel ou precisa de algo para se sustentar?

Será que você vai resistir a concorrência daqueles que usam esse meio para se sustentar e gostam realmente do que fazem?

É muito importante você responder essa pergunta. Não podemos trabalhar sem um objetivo. Se não tivermos um objetivo não chegamos a lugar nenhum.

E essa pergunta deve ser feita a todos níveis de profissionais… quer sejam iniciantes que estão entrando agora no mercado, quer seja um arte finalista ou designer, quer seja um gráfico das antigas que viu seu mercado sumir de uma hora para outra, quer seja um grande empresário gráfico. E para responder essas perguntas é bom separar cada caso.

Iniciantes

Você que é iniciante, já respondeu essa pergunta? Você quer trabalhar com gráfica por que é uma paixão ou quer apenas a grana que pode conseguir?

Se está fazendo isso apenas pela grana é bom trabalhar num plano B. Você pode trabalhar durante um tempo com isso até ajeitar a sua vida, mas é bom se preparar para sair dessa vida assim que for possível, pois não aguentará muito os trancos se não tiver a paixão e o conhecimento necessário.

Pergunto então: O que você gosta realmente de fazer?

Já pensou nessa resposta? Se não, te convido a parar a leitura e refletir agora mesmo. Se quiser partilhar conosco o te peço para escrever aqui nos comentários. Pode ajudar outros com o mesmo dilema e até abrir portas no futuro.

Descobrindo o que deseja fazer, comece a trabalhar o seu conhecimento na área que é a sua verdadeira paixão… vá em blogs, no youtube, e quem sabe faça cursos na área.

Não tem desculpa de falta de grana… tem muita coisa grátis para todos os ramos e inúmeras pessoas ensinando de tudo no youtube. Deixe de se acomodar e parta para sua paixão.

Te garanto que o mercado gráfico não vai ficar triste em ter te ajudado financeiramente a chegar lá. Mas o encare não como uma coisa ruim e sim uma ajuda que está recebendo nesse momento difícil.

Arte finalista ou designer

Você que é arte finalista ou designer tem que ter muita paixão pelo que faz.

Não é fácil atender aquele cliente chato, que fica mudando a arte a todo momento, e ainda critica o seu trabalho, que na verdade está muito bom.

Quem não passou por isso? Eu mesmo passei muitas vezes. Tem cliente que diz que seu trabalho está uma merd… apenas para poder pagar menos.

E você percebe isso claramente quando “assume” que não tem capacidade de atender o cliente e ele não largo o seu pé. Você já experimentou isso… falar pro seu cliente que seu trabalho é ruim demais para atender as expectativas dele e desistir do pagamento e deixar ele livre para procurar outro profissional?

Eu já fiz varias vezes… alguns ainda tem a cara de pau de pedir o “original” para continuar o trabalho a partir dele… e eu informo que o original não tem qualidade o suficiente para ser enviado.

Não raras as vezes o mal cliente cai na real e continua o serviço, sem desvalorizar o seu trabalho e pagando o valor real por ele.

A concorrência dos sobrinhos também é algo que incomoda bastante.

Eu vendo pelo mercado livre… e 100% das vezes que o cliente informa que já tem a arte final pronta eu recebo algo feito no word, powerpoint ou canvas, totalmente fora dos padrões. Aqueles que realmente sabem produzir uma arte não ressaltam que já tem a arte. Só fazem isso aqueles que não tem nada parecido com uma arte.

Quantas vezes você não recebeu um scan ou foto para dar uma ajeitadinha no endereço ou telefone?

Só se passa por essas coisas com muita paixão!!!

E quando vai chegando o momento de se aposentar… com a paixão perdendo força… você já pensou nisso? Já tem um plano B?

Gráficos da antiga

Agora é com você que tinha uma gráfica pequena bem montada e vivia de talões, convites e produtos gráficos em geral.

Eu vivi bem o que aconteceu com vocês.

Primeiro foi a entrada desses grandes gráficos oferecendo produtos coloridos a preços menores do que você praticava nos produtos monocromáticos. Foi o fim daquela margem que você tinha de 200% ou mais e a entrada de um grande número de vendedores gráficos no mercado.

E o tiro de misericórdia foi o fim das notas fiscais com a adoção das notas fiscais eletrônicas.

Mas foi uma morte anunciada.

Você foi o primeiro a ver essas grandes gráficas abaixarem os preços e tentou competir ao invés de se juntar a eles. E a nota fiscal foi um processo de quase uma década, que você também não acreditou que acontecesse.

O seu grande problema foi não mudar. Ficar parado no tempo. E como todo empresário deveria saber que quem não inova acaba perdendo o seu lugar no mercado.

Você viu alguns de seu colegas migrarem para novas formas de trabalhar. Se juntarem ao inimigo, investirem em gráfica rápida e bureaus de serviços, começarem a atender vendedores gráficos. Esses conseguiram sobreviver e acabaram crescendo. Alguns até mudaram de status para grandes fornecedores ou mesmo encontraram nichos ainda inexplorados.

Qual foi o seu plano B? Não houve? Está agora trabalhando como vendedor gráfico por não ter mais uso para os seus equipamentos?

Será que não é hora de se mexer e encontrar nichos?

Troque uma ideia aqui com a gente!

Empresário gráfico

Aqui eu agrupo os grandes inovadores do mercado que conseguiram crescer seus negócios mesmo na crise.

Antes que você acuse eles de serem os grandes vilões, percebam que estes foram os responsáveis por evitarem a entrada de grandes gráficas do exterior por mais de 20 anos, por copiarem os modelos deles antes deles terem brecha aqui no Brasil.

Hoje temos algumas grandes dessas entrando pesado no nosso mercado… mas isso era para ter acontecido a décadas atrás e só não aconteceu devido aos nossos pioneiros que brecaram a entrada deles como podiam.

Hoje vemos o mercado mais uma vez ameaçado por novos entrantes, com tamanho e investimentos que realmente podem fazer diferença.

A 1 ano atrás se você procurasse no google a palavra panfleto iria encontrar o mercado livre destacando alguns fornecedores locais, algumas revendas que trabalham bem posicionamento na web e os grandes fornecedores nacionais. Hoje, até praticamente a terceira tela está totalmente preenchida com os invasores estrangeiros.

Vou ser sincero, a entrada é quase inevitável e foi uma das  coisas que nos trouxe a abordar esse assunto.

É hora de todos terem um plano B.

O risco é tanto que eu fui ver se os estrangeiros não tem ações na bolsa para indicar para vocês. Ainda não encontrei… mas sem dúvida ser sócio dos invasores nesse momento é uma coisa a se pensar seriamente.

O que eu posso falar a você, grande empresário gráfico, que existem um grande numero de revendas precisando que vocês não eliminem o mercado deles, de modo a podermos juntos enfrentar a crise.

Quanto mais você imprensa as margens das revendas, mais brechas dão para as grandes entrarem.

A força delas vem dos anúncios na web. Se todos nós investíssemos na web poderíamos brecar a entrada. Isso é muito para você sozinho, mas se tiver a ajuda de milhares ou milhões de representantes isso é possível.

Imagine seus milhares de representantes colocando anúncios no google, com palavras relevantes e investimentos  por clique maior que os invasores. Cada clique nesse seu representante seria uma venda a mais para você.

Mas para isso é necessário termos o conhecimento necessário, que só você pode nos fornecer, uma margem um pouco maior, que permita esse investimento e a garantia que não vamos tomar uma pernada de vocês?

Que tal nos ajudar?… tem vários movimentos surgindo nesse sentido. O blog está com as portas abertas para divulgar isso aos mais de 10 mil representantes que  nos acompanham.

Plano B

Eu falei muito de plano B aqui na postagem. Não vou me alongar hoje nisso, mas queria que você partilhasse aqui qual o seu plano B para essa situação.

Eu pretendo continuar atuando com gráfica, mas estou me preparando através de inúmeros investimentos para não depender do que ganho com gráfica. No inicio será uma ajuda apenas parcial, mas em breve posso ficar totalmente livre para mudar de rumo se for o caso.

Mas cada um terá o seu caminho… eu pergunto: Qual será o seu caminho? Partilhe aqui conosco!

Conclusão

Em qualquer ramo, Conhecimento e paixão são o caminho do sucesso.

O ramo gráfico é muito generoso com as oportunidades, mas sem esses dois grandes motores tudo estará destinado ao fracasso.

Fiz essa postagem como uma introdução a varias outras que visam analisar nossa situação atual de mercado.

Espero que sejam bem generosos nos comentários e que transformem essa postagem num motor de mudança.

Conto com vocês.

Até mais nos comentários.

Um grande abraço.

12 COMMENTS

  1. Amigos sempre escutei, a palavra crise no ramo gráfico; lembro de muitos reclamando quando os sobrinhos começaram a fazer seus convites, cartões, panfletos em casa. Quando as xerox colorida chegou fazendo tudo em impressão, quando uma grande empresa começou a comprar todas as empresas do setor de embalagens, hoje a internet mudou o mundo, mas sabe o que realmente falta, arte, fazíamos arte lindas, hoje não vejo isso… Olhe pra fora do seu carro olhe os anúncios tudo igual, cartões, banners, lonas… A internet está mudando tudo, mas há arte, nunca será perdida apenas direcionada e aprimorada. Olhem os jornais, as notícias, como mudou hoje está em tempo real, tudo padronizado, porém vc lê e esquece na mesma proporção, hoje tudo é igual, no mesmo marasmo, falta um revolução… Se arte e igual a todas o valor não muda o papel é igual a impressora também o impressor. Quem diria que um simples pacote de pão poderia fazer uma grande coisa , conter publicidade… Adorei tudo que está escrito aqui cada opinião. Vou relembrar o que sei com vcs e avaliar se compensa voltar… Desde agradeço.

    • Ricardo,
      Realmente o pessoal esqueceu o termo artes do ramo artes gráficas.
      A maioria se preocupa apenas com a impressão do papel e nem se preocupa com os detalhes tecnicos do processo.
      É grande o numero de pessoas que não discutem gastar R$ 100 na impressão de um milheiro de panfleto para sua empresa e ficam discutindo migalhas ou fazendo artes em word para seus negócios.
      Não percebem que uma arte lixo vai virar impressão de lixo que será descartada de imediato na rua.
      E olha que eu estou aqui falando de pagar a miséria de R$ 20 por uma arte feita com um profissional que se especializou em artes rapidas (essa da mesmisse que você falou).
      Uma arte deveria custar milhares de reais e a impressão acabaria saindo de brinde… pois ela é que é importante.
      Mas os clientes desvalorizam tanto seus negócios que não veem valor na própria marca.
      Não é a toa que as empresas que não quebram e crescem são exatamente as que pagam por artes mais bem elaboradas e planejadas.
      E as pessoas não param para pensar nisso.
      É uma empresa pequena e não tem grana? Começa com um profissional rápido, mas caprichoso.
      Cresceu um pouco procura fazer algo mais elaborado. Chama um designer para mexer no visual da empresa. Bolar algo que transmita um conceito e não apenas mostre alguns produtos a venda.
      Se fizer isso vai crescer.
      E o mercado vai gostar muito de crescer ao inves de ter que se ajustar a exigencias cada vez menores.
      A moda do momento é o Canvas… que permite artes bonitinhas, mas na mão de gente que não sabe o que faz, produz grandes monstrengos em PDF.
      É a vida!!!
      Abraços,

  2. Gosto muito da área de Designer gráfico, faço alguns convites de aniversário para família e amigos, mas faço parte das pessoas que fazem no canva, power point e etc… Que muito fazer um curso para melhoras isto e fazer em outros programas mais profissionais. O meu interesse é aprender à aperfeiçoar minhas artes gráfica e ter uma renda extra. Gosto muito desta área.

  3. Paulo Boa tarde,

    Estou em busca de uma renda complementar e enxergo na gráfica como ponto de partida para isso, eu acho um campo muito interessante, moro em uma cidade pequena no interior do MS aonde só existe uma gráfica, mas a minha dúvida é exatamente por onde começar, qual curso fazer primeiro, como me qualificar da forma mais adequada, será que vc pode me dar uma luz em relação a isso?

    • Paulo,
      Não precisa gastar nada.
      Se cadastra numa grande grafica como a Atualcard, futura imbativel, zap grafica ou mister print, escolhendo de preferencia uma que tenha balcão de retirada na sua região.
      Compra o mostruário deles e faz uma tabela de preços que de para trabalhar e vai a luta.
      Aqui no blog já dei a dica de como encontrar artes finalistas facilmente e até dei dica de varios bons profissionais.
      Aí fica fácil… visita o cliente e faz a venda, prepara as artes com esses arte finalistas, coloca em produção, recebe e entrega o produto.
      Para aprender um pouco de arte para por exemplo conseguir fechar um arquivo pode assistir as aulas de cores aqui mesmo no blog (está em cursos… os do Liute são ótimos… assiste tudo).
      Não precisa sair de emprego nem nada… dá para conciliar os dois.
      Abraços,

  4. As grandes estão aparecendo no mercado, isso já sabemos, mas a estratégia que eles usam para aparecer, qualquer um pode usar, só precisa estudar o assunto.
    O revendedor reclama que seu vizinho fecha seus jobs com as empresas “gringas”, e pergunto para ele, o que você está fazendo para seu vizinho saber que você vende também? A resposta é sempre, nada….ou seja, quem não faz nada, nada vai acontecer, já ouviu falar “quem não é visto, não é lembrado”, dessa forma fica difícil vender. É preciso estudar as estratégias e se atualizar, hoje o próprio Google oferece aulas de como anunciar em sua plataforma, em algumas horas você já estará pronto para fazer seu primeiro anúncio, para “seu vizinho” te encontrar, o revendedor precisa de uma mudança de “mindset” para crescer.
    O meu plano B é estudar mais e mais, para usar as estratégias que o mercado online está nos proporcionando, pois o nosso mercado vai dar a volta, a crise é geral e repentina, em breve teremos o nosso mercado estabelecido, e só vai sobreviver que estiver preparado para atender no mercado online.

    • Marcelo,
      Qualquer um pode usar, mas o montante que eles usam faz diferença.
      O google adwords ao ver uma conta com R$ 2 milhôes de capital com clique de R$ 0,01 sobrepõe ele ao da outra conta com R$ 1 mil com cliques de R$ 0,50
      Eles querem comer a grana dos dois mas acabam se focando naquele com maior potencial… perceba… quem vai converter mais? O seu anuncio de 1000 panfletos a R$ 70 ou o deles a 1000 por R$ 43? E você não vai poder fazer o panfleto a R$ 43 por que está pagando R$ 48 no concorrente deles e não pode confiar no fornecimento do outro de R$ 43 pois conhece as armadilhas do anuncio deles.
      O consumidor final se deixa enganar ou acaba aceitando a entrega de 20 dias e a arte fuleira.
      Respondi a pouco aqui na outra pergunta falando das baixas tiragens como saida e no cooperativismo, para juntar forças em marketing… quem sabe jogar R$ 100 mil a R$ 0,03 não vai fazer uma diferença ou pelo menos diluir a vantagem deles?
      Mas é como você fala… nós somos muito acomodados e demoramos para fazer algo que realmente importe… e a crise realmente será temporária, pois os investidores deles vão começar a cobrar resultados, que eu acho que não vai acontecer.
      Abraços,

  5. Paulo como sempre a sua análise é perfeita, hoje enxergo como maior ameaça essas gráficas estrangeiras que entraram no Mercado Brasileiro com força, haja a vista o investimento em marketing na web e até na televisão, que estão fazendo, aqui cai por terra a questão de preços, se analisar bem o site deles vai ver que praticamente só a primeira compra, ou algum produto tem o preço acessível, depois todos os produtos tem um preço absurdo, tem materiais que conseguimos vender pela metade do preço deles (isso sendo revenda Gráfica), e mesmo assim os caras não param de crescer…. Pelo que vejo o único entrave que eles ainda têm é em relação a arte final especializada, que no site deles está como grátis (cheio de regras e arte bem ralezinha), mas com certeza conforme a necessidade de mercado eles vão resolver isso (já que temos arte finalistas que a média salarial é de 1.500,00), conforme a demanda vão contratando mais e mais e assim vão diluindo nas vendas, com essa guerra não tenho noção de como os revendedores vão ficar no Mercado, assim que os grandes fabricantes nacionais começarem a sentir esse back no bolso (já estão sentido), vão ter qie arrumar estratégias para não quebrarem, afinal ninguém tem milhões em equipamentos e é ignorante, se o mercado pedir isso, eles vão sim criar um setor de arte final especializada e vão seguir em frente com a suas produções… Na realidade toda essa mudança está sendo boa somente para o cliente final, no final das contas, vão ficar só os grandes se degladiando para conseguir fazer as vendas diretamente ao cliente final….
    Meu plano B eu já dei início a algum tempo, estou aprendendo a criar e sites para vender aos meus clientes, estou trabalhando forte na área de brindes e Lembrancinhas para festas, vou iniciar o aluguel de kits provençais, enfim, vamos fazer de tudo um pouco, mas pois assim quando as vendas gráficas caírem ( como já estão muito ruins a 18 meses), tenho outras opções que fazem o meu caixa girar
    … Tenho paixão e muito amor pela ramo gráfico, amo ser arte finalista auto-didata, trabalho na área desde 2007, mas já percebi que com a revenda gráfica e sem chance de ficar rico (ou viver bem), dá para pagar as contas, mas creio que ao longo do tempo o plano B vai se tornar o plano A….
    Vamos ver o que acontece em relação aos fabricantes nacionais, nos derem poder para ganharmos nos anúncios na internet séria uma ótima solução, mas creio que por conta do egoísmo do brasileiro, não haverá em hipótese alguma um bom senso…
    Vamos ver né….

    • Rodrigo,
      Você falou que quem se beneficia é o consumidor final. Eu pergunto: Você já viu uma dessas grandes empresas com indice de 100% de satisfação? Você já viu uma dessas empresas dando a atenção necessária para aqueles que nem tem noção do que querem?
      Com a saida dos revendedores, que atualmente são os que realmente dão atenção aos clientes, o atendimento vai cair muito… vai chover reclamação no reclame aqui e pequenas causas. O cliente final não entende detalhes de qualidade de arte final e vai cair culpando a produção. Vai ser muito desgastante tanto pros consumidores quanto para os fabricantes.
      Vejo na pequena tiragem o diferencial, já que uma grafica pequena com uma boa impressora laser de produção consegue fazer frente a essas grandes gráficas, com um produto bem similar e bem mais rápido, posicionado em preços competitivos.
      Ficando no ramo gráfico eu focaria nesse público, mesmo que perca parte do público de grandes tiragens.
      A longo prazo, se mudarmos o hábito do consumidor pedir quantidades maiores para obter preço e fazer com que eles peçam quantidades menores, poderemos aos poucos reconquistar mercado e importancia.
      E com o tempo as proprias grandes gráficas vão perder fôlego de marketing (o dinheiro acaba pois os investidores vão querer retorno) e vão perceber a grande “burrada” que fizeram.
      Uma idéia que me surgiu nesse minuto é a formação de “cooperativas” de pequenas gráficas, montando estruturas similares, e se juntando no esforço de marketing, usando uma mesma Marca. Seria diferente de uma Franquia, mas deverá ser constituida de forma legal para que outras pessoas não se aproveitem indevidamente do movimento.
      Quem sabe não trabalho nessa ideia no futuro?
      Abraços,

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here